Medalha Milagrosa

São Domingos de Gusmão

1) Nascido para uma grande missão

Como já foi explicado em edições anteriores, não somos nós que escolhemos a Deus, mas é Ele quem nos escolhe: “Não fostes vós que me escolhestes, mas eu vos escolhi e vos constituí para que vades e produzais fruto, e o vosso fruto permaneça” (Jo 15,16). A vida e missão de São Domingos de Gusmão é uma prova para lá de convincente desta afirmação de Nosso Senhor Jesus Cristo no Evangelho. Somente Ele para explicar como pode uma criança, na sua mais tenra infância, longe do uso da razão, trocar o seu berço por um pedaço de tábua, com o objetivo de fazer penitência.

A atenção e importância que dava aos estudos é um claro exemplo para os novatos, que muitas vezes trocam as obrigações da escola por TV, computador, tablet, smartphone, Playstation, etc., diversões próprias do século em que vivemos. O valor dos estudos levados a sério irão influir em toda a nossa vida futura, daí sua importância. E entre os estudos, sem dúvida, encontra-se o da religião. É de suma importância conhecer a doutrina cristã, cuja negligência também é uma grave falta. Pois todos nós, cristãos, temos obrigação de conhecer as verdades que nos foram ensinadas por Deus, tanto do Antigo, quanto do Novo Testamento. Sem elas pomos em risco nossa salvação.

Foi graças à seriedade com que concluiu seus estudos que permitiu a São Domingos não só ser um exímio pregador, como fundar uma ordem de pregadores. Seus estudos lhe permitiram ter argumentos sólidos contra os hereges albigenses (ou cátaros), aqueles cuja heresia defendia a existência de dois deuses em constante peleja, um bom, criador das coisas espirituais, e um mau, criador da matéria.

2) Sempre pronto a fazer a vontade de Deus

Como vimos na história de São Domingos, sua primeira importante missão não foi aquela que desejava. O Papa Inocêncio III o enviou à França para a conversão dos albigenses. A humildade com que aceitou a perseguição e humilhação por parte daqueles desviados é uma fenomenal lição de combate ao falso amor próprio, que nos leva à ira contra o próximo. Ele tudo aceitou com mansidão, amor a Deus e confiança de que a graça eficaz, através de seu exemplo, converteria muito mais hereges do que com a sua própria pregação. O que de fato ocorreu.

Vemos aí a sua união com Cristo, que de tal forma não se levantou contra os seus inimigos, que Se deixou imolar numa Cruz.

É fundamental ao catequista chamar a atenção de seus alunos para esse ponto, visto que no mundo moderno humildade é sinal de fraqueza e mansidão de covardia.

3) Inúmeros milagres

Operar muitos milagres em vida não é essencial para definir que um determinado servo de Deus seja santo. Nem toda pessoa dedicada ao serviço de Deus tem o dom da taumaturgia. Quando lemos a biografia de Santa Teresinha do Menino Jesus, não encontramos em nenhum momento o relato de um milagre feito diretamente por ela. Operou, sim, muitos milagres após a sua morte. O certo é que o mais importante é a intensidade de amor a Deus e a prática das virtudes heroicas. Seja como for, os milagres em vida assemelham ainda mais a vida de um santo à de Nosso Senhor Jesus Cristo.

É tal o número de milagres feitos por Deus através de São Domingos, que nos faz recordar outro santo de sua época: o franciscano Santo Antônio de Lisboa, que também combateu a heresia albigense em solo francês e italiano.

4) O Santo Rosário

Uma história tão cheia de luzes, foi ainda coroada pela entrega do Santo Rosário a ele pelas mãos da própria Mãe de Deus. É de se perguntar se Nossa Senhora chegou a revelar a São Domingos a dimensão gigantesca com que o Santo Rosário alcançaria no mundo. Fiéis de todos os continentes iriam repetir diariamente a reza do terço. Inúmeras ordens e congregações religiosas iriam ornar seus hábitos com o Rosário.

O Rosário seria não só uma devoção, mas um instrumento de cura, conversão e salvação. Em Fátima, Nossa Senhora iria recomendá-lo vivamente aos fiéis. Na Carta Apostólica o “Rosário da Virgem Maria”, o Beato João Paulo II fez belíssimos comentários a respeito desta importante prática revelada a São Domingos:

“O Rosário é uma oração de grande significado e destinada a produzir frutos de santidade.”

“Mediante o Rosário, o povo cristão aprende com Maria a contemplar a beleza do rosto de Cristo, e a experimentar a profundidade do seu amor.”

“Através do Rosário, o crente alcança abundantes graças, como se as recebesse das próprias mãos da Mãe do Redentor.”

Muitos outros santos teceram admiráveis frases a respeito do Santo Rosário:

“O Rosário é a mais bela de todas as orações, a mais rica em graças e a que mais agrada a Santíssima Virgem” (São Pio X).

“O Rosário contém todo o mérito da oração vocal e toda a virtude da oração mental” (Santa Rosa de Lima).

“No Rosário encontrei os atrativos mais doces, mais suaves, mais eficazes e mais poderosos para me unir a Deus” (Santa Teresa de Jesus).

“O Rosário é a homenagem mais agradável à Mãe de Deus” (S. Afonso de Ligório).

“O Rosário incendiou os fiéis de amor, e deu-lhes nova vida” (São Pio V).

“Felizes as pessoas que rezam bem o santo Rosário, porque Maria lhes obterá graças na vida, graças na hora da morte e glória no Céu. Nunca será considerado um bom cristão, quem não reza o Rosário” (Santo António Maria Claret).

“O Rosário é a melhor devoção do povo cristão” (São Francisco de Sales).

“O Rosário é a mais divina das devoções” (São Carlos Borromeu).


Vocabulário:

Negligência: Descuido, desleixo, falta de diligência.

Exímio: Excelente, magnífico, muito ilustre.

Peleja: Combate, contenda.

Taumaturgia: Dom de operar milagres e maravilhas.

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.