Medalha Milagrosa

Beata Teresa de Calcutá

1) Berço cristão, plataforma para a vocação de Teresa

Nascer num lar verdadeiramente cristão é uma bênção incalculável, pois os exemplos dos pais e dos irmãos servem de uma particular sustentação para a fé e prática das virtudes. O ambiente católico de muitas famílias serviu também de plataforma para a vocação de inúmeros santos, como ocorreu com Santa Catarina da Suécia e Santa Teresinha do Menino Jesus, entre outros. Daí a importância essencial da família na formação humana e religiosa de seus filhos:

“A família é certamente uma graça de Deus, que deixa transparecer aquilo que Ele próprio é: Amor. Um amor plenamente gratuito, que sustenta a fidelidade sem limites, até mesmo nos momentos de dificuldade e de abatimento. Estas qualidades encontram-se de maneira eminente na Sagrada Família, na qual Jesus veio ao mundo e cresceu cheio de sabedoria, com os cuidados cheios de desvelo de Maria e a custódia fiel de São José.”.

(Papa Bento XVI antes da recitação do Angelus, em 28/12/2008. Fonte: Rádio Vaticano)


2) Na família aprendeu a amar os pobres

Na família a beata Teresa de Calcutá aprendeu a amar os pobres e a ajudá-los da melhor forma possível. No amor de Deus está o verdadeiro sentido da caridade para com o próximo. Em sua vida pública, Cristo veio nos ensinar um novo mandamento: “Amai-vos uns aos outros! Como eu vos tenho amado, assim também vós deveis amar uns aos outros.” (Jo 13, 34). E como Jesus nos ama? Ele também irá afirmar que “Como o Pai me ama, assim também eu vos amo!” (Jo 15, 9). Expressão forte, que significa que Jesus nos ama como Ele próprio é amado por Deus Pai. Ou seja, um amor divino, perfeito e infinito.

Vale a pena a(o) catequista refletir com seus alunos que o motivo que impulsionava a Beata Teresa de Calcutá a viver para os pobres não era um forte apelo humanitário, mas o amor a Deus e ao próximo. Por amor a Cristo, ela O imitava em sua forma de acolher e se doar aos mais necessitados. Foi por isso que ela se sacrificou, deixando sua família, suas regalias, sua carreira pessoal para ser missionária.

3) Vida missionária

Inteligente e esforçada como era, Teresa podia perfeitamente fazer carreira, endinheirar-se e levar uma vida confortável e tranquila. No entanto, abdicou de tudo isso para entregar-se à missão. E que difícil missão, já que não contava com recursos financeiros para isso, tudo haveria de ser conquistado com muita oração, confiança em Deus, luta e sofrimento.

A vida missionária de Madre Teresa foi muito intensa, mas isso não significa que ela vivia descuidada da vida de oração, de piedade, de frequência aos sacramentos... Enfim, numa palavra, daquilo que na vida religiosa se chama “vida interior”. Pelo contrário, mantinha a chama da vida sobrenatural bem acesa na alma. Ela é um grande exemplo para todos nós, porque muitas vezes deixamos de rezar, de ir à Missa, às celebrações católicas, de frequentar os sacramentos sob a alegação de que nos falta tempo. Santo Inácio de Loyola recordava sempre a São Francisco Xavier a seguinte indagação de Nosso Senhor, no Evangelho: “Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se vem a perder-se a si mesmo e ser causa de sua própria ruína?”(Lc 9, 25). Tudo passa, o tempo voa, a matéria se deteriora... Mas os tesouros espirituais, estes sim, nós levamos conosco para a eternidade.

4) Nascimento de uma nova congregação

A vida interior da Beata Teresa de Calcutá produziu frutos abundantes, entre eles, a fundação da Congregação das Missionárias da Caridade. Congregadas pelo amor, cada uma delas era uma Madre Teresa a seu modo, agindo da mesma forma, fazendo o bem ao próximo, sobretudo aos mais pobres entre os pobres. Com o tempo, aquela chama particular que levou Madre Teresa à missão, iria atear o fogo da caridade em outros rincões, fazendo com que a sua congregação se espalhasse por inúmeros países.

É preciso refletir na importância da vida espiritual bem levada. O quanto ela produz, evangeliza e pode fazer bem para a humanidade. De nada adianta trabalhar, ainda que seja para a mais justa causa, se não cuidamos da nossa vida interior. Como dizia São Bento: “ora et labora”, trabalho e oração, juntos, garantem o êxito de uma obra santa.

Vocabulário:

Plataforma: Superfície plana, horizontal, mais alta que a área adjacente. No sentido figurado, uma base sólida que nos eleva.

Regalia: Privilégio, direito, vantagem, condição especial.

Abdicar: Renunciar, abrir mão, desistir.

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.