Medalha Milagrosa

Catequese sobre o Batismo: "Ninguém se salva sozinho!"

Salvatio.jpg
 photo credit: al.maia via photopin cc

Cidade do Vaticano, 15 jan 2014 (RV) – Nesta quarta-feira, 15, o Papa recebeu os fiéis na Praça São Pedro para a audiência geral. Francisco prosseguiu o ciclo de reflexões iniciado na última semana sobre o Batismo, sublinhando que o fruto mais importante deste Sacramento é que ele nos torna membros do Corpo de Cristo e do Povo de Deus. “Como frisado no Concílio Vaticano II, com o Batismo nos transformamos em um Povo em caminho, peregrino na história”, afirmou.

“Assim como a vida se transmite de geração em geração, a fonte batismal transmite a graça com a qual o Povo cristão caminha no tempo, irrigando a terra e difundindo no mundo a bênção de Deus”, disse Francisco em sua catequese.

Às dezenas de milhares de pessoas que desafiaram o frio e se apresentaram na Praça para vê-lo, o Papa chamou a atenção para o nosso papel missionário, como discípulos, durante toda a vida. "Também o Papa e os bispos devem ser discípulos, senão não poderiam transmitir a fé".

E citando o Documento final de Aparecida, lembrou que “todos os batizados e batizadas... somos chamados a viver e a transmitir a comunhão com a Trindade, pois “a evangelização é um chamado à participação da comunhão trinitária”.

Outro aspecto da beleza de compartilhar esta experiência de amor – explicou ainda o Papa – se encontra na vivência comunitária, onde podemos ser “canais da graça, uns para os outros, apesar das nossas limitações e pecados. Ninguém se salva sozinho”, disse, completando:

“A dimensão comunitária não é apenas uma “moldura”, mas é uma parte integrante da vida cristã, do testemunho e da evangelização. A fé cristã nasce e vive na Igreja; no Batismo, as famílias e paróquias celebram a incorporação de um novo membro a Cristo e ao seu corpo, que é a Igreja”.

Explicando suas palavras com fatos, Francisco contou a história da comunidade cristã no Japão, que no início do século XVII foi duramente perseguida, teve muitos mártires, membros do clero foram expulsos do país e milhares de fiéis, mortos. A comunidade entrou em clandestinidade, mas manteve a sua fé e rezava em segredo. Depois de 250 anos, os missionários retornaram ao Japão, os cristãos finalmente puderam sair das trevas e a Igreja renasceu.

“Eles sobreviveram com a graça de seu Batismo! E porque mantiveram, em segredo, um forte espírito comunitário, porque o Batismo os transformou num só corpo em Cristo: estavam isolados e escondidos, mas eram sempre membros da Igreja”. Francisco lembrou a todos que “podemos aprender muito desta história!”.

Como sempre, o Papa saudou todos os grupos presentes. Cumprimentando os peregrinos de língua árabe provenientes da Jordânia e da Terra Santa, Francisco exortou:

“Aprendam da Igreja japonesa... as dificuldades e perseguições, quando vividas com confiança e esperança, purificam e fortalecem a fé. Sejam verdadeiras testemunhas de Cristo e de seu evangelho, autênticos filhos da Igreja, sempre prontos a dar razão de sua esperança, com amor e respeito”.  (CM)

Rádio Vaticano

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.