Medalha Milagrosa

Religiosas brasileiras engajadas em obra social no Haiti

Aquin, 09 jul 2013 (RV) – Continuamos nossa viagem pelo Haiti. Hoje, nossa reportagem se encontra em Aquin, que fica no sul do país. Do destino anterior, Abacou, até esta pequena cidade são necessárias duas horas, entre mar e montes, numa paisagem parecida com a do sul e sudeste do Brasil. De fato, terra não falta. Aqui vale o ditado “em se plantando tudo dá”. Manga, caju, banana, legumes, cereais. Mas a realidade é outra e o resultado é que pouco ou nada se produz.

O Haiti importa 80% dos alimentos que são consumidos na ilha, sendo que mais de 50% da população vive na zona rural. Aqui, a agricultura é feita na enxada. Às vezes, até em forma de mutirão para compartilhar os poucos instrumentos à disposição. Até o peixe, que deveria superabundar numa ilha, não está no mercado. Há algumas vacas e muitos cabritos. Onde o povo sofre, a com a natureza não pode ser diferente. O desflorestamento já é uma realidade para alimentar a indústria do carvão, que substitui o gás em mais de 85% dos lares haitianos. A consequência desse sistema e da falta de investimentos só pode ser uma: escassez de alimentos.

Em Aquin funciona um dispensário que atende crianças e mães subnutridas. Atualmente, nessa estrutura trabalham duas brasileiras da Congregação Franciscanas Missionárias de Nossa Senhora.

Rádio Vaticano

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.