Medalha Milagrosa

Papa Francisco: abrir o coração a Deus para entender as bem-aventuranças

Cidade do Vaticano, 10 jun 2013 (RV) – A verdadeira liberdade nasce ao abrirmos a porta do coração ao Senhor: foi o que destacou o Papa Francisco na Missa desta manhã na Casa Santa Marta.

O que é a consolação para um cristão?, questionou Francisco, que iniciou a sua homilia observando que São Paulo, no início da segunda Carta aos Coríntios, utiliza inúmeras vezes a palavra consolação. O Apóstolo dos Gentios, acrescentou, “fala aos cristãos jovens na fé”, aos que empreenderam há pouco o caminho de Jesus e que, ao mudarem radicalmente o estilo de vida, precisavam de uma força especial de Deus – e esta é a consolação. A consolação, disse ainda, “é a presença de Deus no nosso coração”. Mas, para isso, é necessário abrir o nosso coração ao Senhor, é necessária a nossa “conversão”:

“A salvação é isso: viver na consolação do Espírito Santo e não na consolação do espírito do mundo, que não é salvação, mas pecado. A salvação é ir avante e abrir o coração, para que venha esta consolação do Espírito Santo.”

Para o Papa Francisco, não há negociação, não se pode fazer “uma salada de fruta” entre o Espírito Santo e o espírito do mundo: “Não! Ou uma coisa ou outra.”

Jesus nos diz claramente, não se pode servir a dois patrões, ao Senhor e ao espírito do mundo. Eis então que quando estamos abertos ao Espírito do Senhor, podemos entender “a nova lei que o Senhor nos traz”: as Bem-aventuranças de que narra o Evangelho de hoje. Essas bem-aventuranças, acrescentou, só podem ser compreendidas com o coração aberto, e não com a inteligência humana”:

“São os novos mandamentos. Mas se não temos o coração aberto ao Espírito Santo, parecerão bobagens. Pois ser pobre, doce, misericordioso parecem não levar ao sucesso. E não entenderemos isso se não tivermos o coração aberto ao Espírito Santo. Esta é a lei para os que foram salvos e abriram seu coração à salvação. Esta é a lei dos livres, com aquela liberdade do Espírito Santo”.

Uma pessoa pode regular sua vida com base num elenco de mandamentos ou procedimentos, mas isso não nos traz a salvação. Para entender “esses novos mandamentos”, necessitamos da liberdade que “nasce do Espirito Santo, que nos salva, que nos consola” e “dá a vida”:

“Possamos hoje pedir ao Senhor a graça de segui-Lo, mas com esta liberdade. Porque se quisermos segui-Lo somente com a nossa liberdade humana, no final nos tornaremos hipócritas como aqueles fariseus e saduceus, que brigavam com Ele. A hipocrisia é isso: não deixar que o Espírito mude o coração com a sua salvação. A liberdade do Espírito é também uma espécie de escravidão, mas uma escravidão ao Senhor, que nos torna livres; é outra liberdade. Ao invés, a nossa liberdade é somente escravidão, mas não ao Senhor, mas ao espírito do mundo. Peçamos a graça de abrir o nosso coração à consolação do Espírito Santo, para que esta consolação, que é salvação, nos faça entender bem esses mandamentos. Assim seja!”

(BF) - Rádio Vaticano

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.