Medalha Milagrosa

Papa Francisco: ''Edificar a Igreja no sangue do Senhor''

Cidade do Vaticano, 15 mar (RV) - O Papa Francisco presidiu a celebração eucarística na tarde desta quinta-feira, na Capela Sistina, no Vaticano, com os cardeais que participaram do Conclave.

Em sua homilia, o novo pontífice ressaltou que viu algo em comum nas três leituras da missa, ou seja, o movimento. "Na primeira leitura, o movimento é o caminho, na segunda, o movimento está na edificação da Igreja, e no Evangelho, o movimento se encontra na confissão. Caminhar, edificar e confessar", sublinhou.

A primeira coisa que Deus disse a Abraão foi: "Caminha na minha presença e sê irrepreensível. A nossa vida é um caminho. Quando paramos, alguma coisa está errada. Caminhar sempre na presença do Senhor, na luz do Senhor, buscando viver com aquela irrepreensibilidade que Deus pede a Abraão na promessa", frisou o Papa Francisco.

Depois o Santo Padre prosseguiu com o edificar. "Edificar a Igreja, fala-se de pedras. As pedras têm consistência, mas pedras vivas, pedras ungidas pelo Espírito Santo. Edificar a Igreja, Esposa de Cristo, sobre a pedra angular que é o Senhor".

O terceiro ponto da homilia do Papa foi o confessar. "Nós podemos caminhar como queremos, podemos construir muitas coisas, mas se não confessamos Jesus Cristo, algo está errado. Tornamo-nos uma ONG piedosa, mas não a Igreja, Esposa do Senhor. Quando não se caminha, se para. Quando não se edifica sobre as pedras o que acontece? Sucede como acontece com as crianças na praia quando fazem castelos de areia, tudo desaba, pois não tem consistência", disse ainda.

O Papa lembrou-se de uma frase de Leon Bloy que diz: "Quem não reza para Deus, reza para o diabo". "Quando não se confessa Jesus Cristo, se confessa o mundanismo do diabo, o mundanismo do demônio", destacou.

"Caminhar, edificar-construir, confessar, não é tão fácil, porque no caminhar, no construir, no confessar muitas vezes existem abalados, há movimentos que não são movimentos próprios do caminho. São movimentos que nos puxam para traz", disse ainda o Papa Francisco.

A passagem do Evangelho proposta na liturgia prossegue com uma situação especial. O próprio Pedro que confessou Jesus Cristo lhe disse: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. Eu te seguirei, mas não falaremos de Cruz. Isso não tem nada a ver. Eu te seguirei com outras possibilidades, sem a Cruz".

"Quando caminhamos sem a Cruz, quando edificamos sem a Cruz e quando confessamos um Cristo sem a Cruz, não somos discípulos do Senhor: somos mundanos, somos bispos, sacerdotes, cardeais, papas, mas não discípulos do Senhor", frisou o pontífice.

"Eu gostaria que todos nós, depois desses dias de graça, tivéssemos a coragem de caminhar na presença do Senhor, com a Cruz do Senhor, de construir a Igreja no sangue do Senhor, derramado na Cruz, e confessar a única glória, Cristo Crucificado. E assim a Igreja caminhará para frente. Desejo a todos nós que o Espírito Santo, a oração de Maria, nossa Mãe, nos conceda esta graça: caminhar, edificar e confessar Jesus Cristo Crucificado", concluiu o Papa Francisco.

Uma oração especial foi elevada a Deus para que o Papa emérito, Bento XVI, possa servir a Igreja no recolhimento com uma vida dedicada à oração e meditação.

(MJ) - Rádio Vaticano

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.