Medalha Milagrosa

Audiência: a fé nasce na Igreja e nos conduz a ela. Solidariedade do Papa às vítimas do furacão Sandy

Cidade do Vaticano, 31 out (RV) – A chuva que se abateu esta quarta-feira sobre a cidade de Roma não impediu que milhares de fiéis participassem com o Santo Padre da tradicional Audiência Geral.

Em sua catequese, Bento XVI prosseguiu a meditação sobre a fé católica, propondo novas perguntas à nossa reflexão: a fé tem um caráter somente pessoal, individual? Vivo sozinho a minha fé?

Certamente, afirma o Pontífice, o ato de fé é um ato pessoal, que acontece no íntimo mais profundo e que marca uma mudança de direção, de rumo, uma conversão pessoal. O meu crer, todavia, não é o resultado de uma reflexão solitária, não é o produto do meu pensamento, mas o fruto de uma relação, de um diálogo; é a comunicação com Jesus que me faz sair do meu «eu», fechado em mim mesmo, para abrir-me ao amor de Deus Pai.

Não posso construir a minha fé pessoal num diálogo privado com Jesus, porque a fé nos é doada por Deus através de uma comunidade, que é a Igreja, e me insere numa multidão de fiéis, numa comunhão que não é somente sociológica, mas radicada no eterno amor de Deus. “A nossa fé é realmente pessoal somente se for comunitária. A fé nasce na Igreja, conduz a ela e vive nela. É importante recordar isso”, disse o Papa.

Bento XVI lamenta a tendência, muito comum hoje, de relegar a fé à esfera pessoal – o que contradiz sua própria natureza. Ao invés, precisamos da Igreja para confirmar a nossa fé e para fazer experiência dos dons de Deus: a sua Palavra, os Sacramentos, a ação da graça e o testemunho de amor. “Num mundo em que o individualismo parece regular as relações entre as pessoas, tornando-as sempre mais frágeis, a fé nos chama a ser Igreja, portadores do amor e da comunhão de Deus para todo o gênero humano.”

Após a catequese proferida em italiano, Bento XVI saudou os grupos presentes na Praça em várias línguas.

Em inglês, o Pontífice manifestou sua solidariedade às vítimas do furacão Sandy, que depois de causar destruição no Caribe, devastou a costa leste dos Estados Unidos. “Ofereço minhas orações pelas vítimas e manifesto minha solidariedade a todos os que estão comprometidos no trabalho de reconstrução”, disse.

Aos peregrinos de língua portuguesa, o Papa disse: “Queridos irmãos e irmãs, a fé, dom de Deus que transforma a nossa existência, não é uma realidade de caráter exclusivamente individual. O meu crer, a minha fé, não é o resultado de uma reflexão pessoal, mas o fruto de um diálogo com Jesus que se dá na comunidade de fé que é a Igreja. De fato, desde o dia de Pentecostes, quando o Espírito Santo desceu sobre os Apóstolos, a Igreja não cessa de cumprir a sua missão de levar o Evangelho a todos os cantos da terra. A Igreja é o espaço da fé: o espaço no qual, pelo batismo, nos inserimos no Mistério Pascal de Cristo, entrando em comunhão com a Santíssima Trindade. Por isso, precisamos da Igreja para ter a garantia que a nossa fé corresponde à mensagem originária de Cristo, pregada pelos Apóstolos; precisamos da Igreja para poder fazer uma experiência dos dons de Deus: da sua Palavra, dos Sacramentos, da ação da Graça e do seu Amor. Quando o nosso “eu” entra no “nós” da Igreja, então fazemos a experiência do comunhão com Deus, que funda a comunhão entre os homens.
Saúdo os peregrinos de língua portuguesa, especialmente os fiéis vindos de São Tomé e Príncipe e os grupos de brasileiros, de Imperatriz, Toledo e Guaxupé. Deixai-vos plasmar pela fé da Igreja, pois esta, apesar das dificuldades, fará de vós janelas abertas para a luz Deus, de modo que a recebendo, possais transmiti-la ao mundo. Obrigado pela vossa presença!”.

(BF) - Rádio Vaticano

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.