Medalha Milagrosa

Papa no Angelus: ''O Maligno semeia guerra; Deus cria paz''

Castel Gandolfo, 22 jul (RV) - “O Maligno semeia guerra; Deus cria paz”. É a mensagem que o Papa Bento XVI lançou hoje na sua alocução que precedeu a oração mariana do Angelus em Castel Gandolfo. De fato – disse o Papa aos fiéis reunidos no pátio interno da Residência Apostólica de verão -, o Maligno procura sempre arruinar a obra de Deus, semeando divisão no coração humano, entre corpo e alma, entre o homem e Deus, nas relações interpessoais, sociais, internacionais, e também entre o homem e a criação”.

Para fazer essa reflexão o Papa partiu da memória litúrgica deste domingo. “Entre as "ovelhas perdidas" que Jesus conduziu à salvação há também uma mulher chamada Maria, originária do vilarejo de Magdala, no Lago de Galiléia, e por isso chamada de Madalena. Hoje a Igreja recorda a sua memória litúrgica. Diz o Evangelista Lucas que dela Jesus fez sair sete demônios (cf. Lc 8,2), ou seja, a salvou de uma total escravidão do mal. E o Papa continuou:

“No que consiste esta cura profunda que Deus realiza através de Jesus? Consiste em uma paz verdadeira, completa, fruto da reconciliação da própria pessoa e de todos os seus relacionamentos: com Deus, com os outros, com o mundo”.

Citando a Carta de São Paulo aos Efésios, o Papa acrescentou: “Cristo é a nossa paz. De dois povos, ele fez um só. Na sua carne derrubou o muro da separação: isto é a inimizade. Para realizar essa obra de reconciliação radical de Jesus, o Bom Pastor, teve que se tornar o Cordeiro, "... o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo" (Jo 1,29).

Bento XVI afirma que as leituras bíblicas deste domingo recordam que “Deus é o Pastor da humanidade”:

“Isto significa que Deus quer para nós a vida, quer nos guiar a bons prados, onde podemos nos alimentar e descansar; não quer que nos percamos e que morramos, mas que cheguemos ao destino do nosso caminho, que é precisamente a plenitude da vida. Isso é o que todo pai e toda mãe quer para seus filhos: o bem, a felicidade, a realização”.

Em seguida concedeu a todos a sua Benção Apostólica.

Antes de se despedir dos mais de 4 mil fiéis presentes em Castel Gandolfo, Bento XVI recordou que dentro de alguns dias terá início em Londres, a 30ª Edição dos Jogos Olímpicos:

“As Olimpíadas são o maior evento esportivo mundial do qual participam atletas de muitas nações e, como tal se reveste de um forte valor simbólico. Por isso a Igreja Católica o vê com particular simpatia e atenção. Rezemos para que, segundo a vontade de Deus, os Jogos Olímpicos de Londres sejam uma experiência de fraternidade entre os povos da Terra”.

Saudando os fiéis e peregrinos de língua inglesa o Santo Padre se disse “profundamente chocado pela insensata violência que ocorreu em Aurora, Denver”, na chacina dentro de um cinema na qual perderam a vida pelo menos 12 pessoas e outras 50 ficaram feridas; o Papa se disse entristecido também pela perda de vidas no recente desastre com um barco perto de Zanzibar.

“Compartilho a angustia das famílias e dos amigos das vítimas e dos feridos, especialmente as crianças. Asseguro a todos a minha proximidade na oração e concedo a todos a minha Benção com penhor de consolação e força em Cristo ressuscitado”. (SP)

Rádio Vaticano

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.