Medalha Milagrosa

Semana de Formação Missionária para Formadores de Seminário

“Kairós da formação nos seminários em vista da Missão”. Este foi o tema norteador das atividades desta quarta-feira, 30 de maio, na 2ª Semana de Formação Missionária para Formadores de Seminário, que acontece na sede das Pontifícias Obras Missionárias (POM) em Brasília, desde segunda-feira, 28 de maio, e segue até amanhã, 1º de junho.

O secretário nacional da Pontifícia União Missionária, padre Sávio Corinaldesi, foi o responsável pela assessoria da temática. Entre os pontos destacados por ele, está a importância dos seminários formar padres para o mundo, que se sintam do presbitério de determinada diocese, mas que seu trabalho seja sem-fronteiras.

“O seminário deve formar padres que sejam párocos do mundo como o papa João Paulo II falou em sua mensagem em 1990: ‘ser pároco do mundo significa que, independentemente de onde você se encontra, deve estar aberto à dimensão universal da Igreja”, disse ele aos participantes da formação.

Segundo padre Sávio, o Kairós do seminário deve ser aproveitado para que os futuros sacerdotes se sintam parte do povo e, com ele, sintam suas dores, principalmente junto àqueles que mais sofrem. “Kairós é uma palavra grega que significa tempo propício. Neste caso, para se formar missionários. O tempo dos seminários, portanto, é oportuno para formar essa consciência missionária e de amor e pertença ao povo, àqueles que mais sofrem. O sacerdote deve ser amigo dos pobres, defensor da justiça e sentir dor pelo sofrimento do povo”, exortou.

Padre José Vieira Pinto, formador em São José dos Campos (SP), entendeu bem a abordagem do dia e viu nas colocações do padre Sávio, um momento especial para impulsionar seu trabalho com os seminaristas. “Mais do que formação, o tema trabalhado hoje foi um retiro muito proveitoso, onde o padre Sávio nos levou a pensar e a aprofundar a partir da nossa vida a questão missionária que não é algo que vem de fora, mas de dentro e que já devemos estar pensando no interior em vivenciar na Igreja através das nossas atitudes, do anúncio da boa nova; o compromisso de que ser padre hoje é esse chamado de ser pastor que vai ao encontro das pessoas”, ressaltou.

“Para mim é algo novo. Estou começando agora na formação e já me imbuindo desta dimensão tão importante para a vida do presbítero”, sublinhou o formador do Seminário Propedêutico Cura D’ars de Itabira-Coronel Fabriciano, padre Márcio Soares, 35. “As reflexões do curso têm me deixado maravilhado e com certeza volto para minha realidade, com meu trabalho de formador, cheio de esperanças de que posso dar essa contribuição a essa diocese onde eu trabalho na formação dos futuros padres, como também padres missionários”, disse o sacerdote que é formador há apenas quatro meses.

O dia de ontem teve ainda a visita do arcebispo de Palmas (TO) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada da CNBB, dom Pedro Brito Guimarães, que veio dar boas-vindas aos formadores e conclamou a cada dia eles exercerem nos seminários a função de formadores e trabalharem para que de fato os seminaristas sejam missionários.

Também foi acolhido no encontro, ainda nesta quarta-feira, o presidente da Organização dos Seminários e Institutos Filosóficos e Teológicos do Brasil (OSIB), padre Paulo Batista Borges. Ele falou aos participantes da Semana de Formação sobre a preocupação da OSIB em formar futuros presbíteros para a dimensão missionária. “A minha presença neste encontro vem para firmar a preocupação que a OSIB tem de formar os futuros presbíteros nessa dimensão missionária”, disse ele.

A OSIB tem o papel de organizar encontros e cursos para formadores. Acompanhar a formação presbiteral em todo o Brasil e observar como acontece o processo de formação dos futuros reitores para a formação dos futuros presbíteros.

Fonte e foto: CNBB

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.