Medalha Milagrosa

Papa: ''A resposta ao mal e ao perigo é a oração''

Cidade do Vaticano, 18 abr (RV) - Na manhã desta quarta-feira, o Papa se reuniu com os fiéis, e turistas na Praça São Pedro, na tradicional audiência geral.

Bento XVI fez uma catequese retomando o tema da oração e abordando um texto dos Atos dos Apóstolos em que Pedro e João deixam o cárcere após terem sido presos por pregar o Evangelho. Os dois encontram a comunidade, que unida, ouve o que aconteceu e começa a rezar. Esta comunidade não quis reagir ou se defender, nem adotar alguma medida especial, mas simplesmente rezar. E o fez numa oração unânime e concorde, pois “o vivido por um irmão é vivido por todos”.

O Papa continuou sua narração, acrescentando:

“Sustentados pela oração, agregados e unidos assim como o Senhor no Getsêmani, eles confiavam na presença, na ajuda e na força de Deus. Leram a Escritura e receberam a luz do Ressuscitado, compreendendo sua própria história dentro do projeto divino. A comunidade não quis ser imune do perigo, nem que os culpados fossem castigados, mas pediu coragem para anunciar a Palavra de Deus e que ele acompanhasse este anúncio com sua mão poderosa”.

“Assim – indicou Bento XVI – o comportamento de fundo dos cristãos diante de perigos, dificuldades e ameaças, deve ser como o da primeira comunidade cristã, que não tenta elaborar estratégias para se defender, mas se coloca em contato com Deus na oração”.

Por fim, Bento XVI explicou que depois de Pentecostes, o Espírito Santo guiou os passos da Igreja, mas Pentecostes não foi um evento isolado. Nos Atos dos Apóstolos, São Lucas narra outras intervenções do Espírito Santo em momentos difíceis da Igreja nascente.

Antes de conceder a benção apostólica, o Papa fez sínteses de sua catequese em várias línguas, e em português, falou:

“Queridos irmãos e irmãs,

O capítulo quarto dos Atos dos Apóstolos mostra a Igreja nascente em oração unânime e concorde, depois de ouvir da boca de Pedro e de João as ameaças feitas pelo Sinédrio. Nas perseguições sofridas por causa de Jesus, a comunidade não se assusta nem se divide, mas permanece profundamente unida na oração. Não é só a oração de Pedro e de João, cujas vidas estiveram em perigo, mas de toda a comunidade, porque aquilo que os dois passaram não diz respeito só a eles, mas a toda a Igreja. E que pede a Deus a comunidade? Não pede o fim das provações nem o castigo dos perseguidores, mas a graça de poder anunciar a Palavra de Deus com toda a confiança. No fim da oração, o Espírito Santo, que, entretanto lhes falara através da Sagrada Escritura, irrompe na casa e enche o coração de todos aqueles que invocaram o Senhor. Este é o fruto da oração unânime que a comunidade eleva a Deus: a efusão do Espírito Santo, dom do Ressuscitado que sustenta e guia o anúncio livre e corajoso da Boa Nova até aos confins do mundo.

Aos peregrinos de língua portuguesa, especialmente aos grupos vindos de Minas Gerais, as minhas boas-vindas a todos vós, com votos de que esta peregrinação a Roma seja ocasião para uma maior consciência e escuta do Espírito Santo, que vos fará fortes na fé e corajosos no testemunho cristão. Sobre vós e sobre a vossa casa e comunidade cristã, desça a minha Bênção”.

(CM) - Rádio Vaticano

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.