Medalha Milagrosa

Papa no Angelus: “Quem perseverar até o fim será salvo”

Cidade do Vaticano, 26 dez (RV) – No Angelus desta segunda-feira, no dia de Santo Estêvão, o primeiro mártir da Igreja, Bento XVI lembrou a trajetória do Santo, tido como o “mártir perfeito”, porque está escrito no Ato dos Apóstolos.

“Estêvão, cheio de graça e poder, fazia grandes prodígios e sinais entre o povo”.

Homem de oração e evangelizador, Estêvão, cujo nome significa “coroa”, recebeu de Deus o dom do martírio. De fato, ele “cheio de Espírito Santo…viu a glória de Deus”.

O Santo Padre explicou quem são os mártires para a Igreja. “Depois da geração dos Apóstolos, os mártires ganharam um lugar de destaque na consideração da Comunidade cristã. Nos tempos de maior perseguição, o seu louvor renova o difícil caminho dos fiéis e encoraja que está em busca da verdade para se converter ao Senhor. Por isso, a Igreja, por determinação divina, venera as relíquias dos mártires e lhes concede honras com nomes como ‘mestre da virtude’, ‘testemunhas vivas’, ‘colunas animadas’, ‘mensageiros silenciosos’”.

Bento XVI seguiu dizendo que “a verdadeira imitação de Cristo é o amor, que alguns escritores definiram como ‘martírio secreto’”. Ao citar São Clemente de Alexandria disse:

“Aqueles que colocam em prática os mandamentos do Senhor dão a Ele testemunho de cada ação, porque fazem aquilo que Ele quer e com fidelidade invocam o nome do Senhor”.

A mensagem do Papa finaliza com um chamado para superar as perseguições e provações da vida: “Quem perseverar até o fim será salvo”.

Rádio Vaticano

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.