Medalha Milagrosa

Papa recebe membros da Fundação Centesimus Annus: mundo da economia deve ter rosto humano

Cidade do Vaticano, 15 out - A Fundação Centesimus Annus, cujo objetivo é promover a Doutrina Social da Igreja, realiza seu encontro anual, em Roma.

Os participantes debatem sobre o tema "Família e negócios", pois segundo o movimento é através da família que se constrói o melhor modelo de sociedade e economia. É na família que se adquire os valores e princípios éticos.

O Papa recebeu em audiência, na manhã deste sábado, na Sala Clementina, no Vaticano, os membros da Fundação Centesimus Annus que participam desse encontro.

Em seu discurso, o pontífice recordou que este ano celebram-se o 20° aniversário da Encíclica Centesimus Annus, do Beato João Paulo II, publicada cem anos depois da Encíclica Rerum Novarum, do Papa Leão XIII, e o 30° aniversário da Exortação Apostólica Familiaris Consortio.

"Nestes cento e vinte anos de desenvolvimento da Doutrina Social da Igreja o mundo passou por grandes mudanças, que nem se imaginavam na época da histórica Encíclica do Papa Leão XIII. Todavia, essas mudanças externas não mudaram o patrimônio interno do Magistério Social, que promove sempre a pessoa humana e a família, em seu contexto de vida e também dos negócios" – sublinhou Bento XVI.

O Papa frisou que o Concílio Vaticano II "falou da família em termos de Igreja doméstica, de santuário intocável em que a pessoa se amadurece nos afetos, na solidariedade e na espiritualidade. Também a economia com suas leis deve sempre considerar o interesse e a salvaguarda dessa célula primária da sociedade".

Citando as palavras do Beato João Paulo II na Familiaris Consortio, O Santo Padre destacou que "as relações entre os membros da comunidade familiar são inspiradas e guiadas pela lei da gratuidade que, respeitando e favorecendo em todos e em cada um a dignidade pessoal como único título valor, se torna acolhimento cordial, encontro e diálogo, disponibilidade desinteressada, serviço generoso e solidariedade profunda".

Nesta perspectiva, "a família de mero objeto se torna sujeito ativo e capaz de recordar o rosto humano que deve ter o mundo da economia. Família e trabalho são lugares privilegiados para a realização da vocação do ser humano, que colabora, hoje, na obra criadora de Deus" – ressaltou Bento XVI.

Falando sobre sua Encíclica Caritas in veritate, o pontífice frisou que "a solidariedade consiste primariamente em que todos se sintam responsáveis por todos e, por conseguinte, não pode ser delegada só ao Estado. Se, no passado, era possível pensar que havia necessidade primeiro de procurar a justiça e que a gratuidade intervinha depois como um complemento, hoje é preciso afirmar que, sem a gratuidade, não se consegue sequer realizar a justiça".

"Neste caso – concluiu Bento XVI – a caridade na verdade significa que é preciso dar forma e organização àquelas iniciativas econômicas que, embora sem negar o lucro, pretendam ir mais além da lógica da troca de equivalentes e do lucro como fim em si mesmo". (MJ)

Rádio Vaticano

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.