Medalha Milagrosa

Atentado no Egito: Dezessete pessoas presas

Cairo, 03 jan - Dezessete pessoas foram presas como suspeitas do atentado contra a Igreja Copta em Alexandria, no Egito. Segundo os investigadores, teria participação da Al Qaeda no crime. Medidas de segurança foram reforçadas em todas as igrejas cristãs do país.

Na sociedade, vê-se conseqüências das tensões geradas pelo atentado. Alguns parentes das vítimas agrediram dois ministros e o governador do Estado. Dez coptas foram feridos em enfrentamentos com a polícia durante manifestações no centro do Cairo, onde centenas de coptas reuniram-se diante da Catedral São Marcos, sede do patriarcado copta ortodoxo, dirigindo palavras de protestos contra os líderes da Igreja que vinham apresentar seus pêsames.

Logo após, mais de mil manifestantes dispersaram-se pelas ruas vizinhas, provocando confusões no tráfico, batendo nos capôs dos carros e jogando pedras contra os veículos. De acordo com a polícia, um milhão de coptas fizeram manifestações na frente do Ministério das Relações Exteriores e diante de centros televisivos.

Em Alexandria, segunda cidade mais importante do Egito, também centenas de cristãos coptas fizeram uma manifestação diante da igreja atingida, e depois atearam fogo nas lixeiras dos arredores.

Para o Ministério do Interior, o atentado é provavelmente obra de um kamikaze munido de bombas locais, mas coordenado também pelo o que foi definido de "elementos exteriores".

A Itália pediu que a questão da violência e da discriminação contra os cristãos seja debatida no Conselho dos Ministros Europeus das Relações Exteriores, previsto para 31 de janeiro.

Os coptas representam de 6 a 10% da população do Egito, que é de 90 milhões de habitantes. (ED)

Rádio Vaticano

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.