Medalha Milagrosa

O anel de Nossa Senhora

2015 - O anel De Nossa Senhora (2).jpg

Há muitos anos, nos gloriosos períodos em que a Idade Média praticava e amava o teocentrismo, em uma pequena cidade da França, - tão pequena que as poeiras do tempo varreram seu nome - bonita e acolhedora, as pessoas tinham o costume de todas as manhãs saudar os vizinhos com perfumados pães, generosos litros de leites e outras guloseimas, indo muitas vezes enfeitado das mais variadas flores.

Lá se vivia bem. Pela manhã, antes do pleno nascer sol, a grei ia para a matriz assistir o Santo Sacrifício da Missa. A igreja era dedicada a Bonne Pie Iesu, padroeiro raro e creio ser desconhecido por outras igrejas da França, contudo, todos aldeões o estimavam pela sua Bondade em ser chamado de "Bom Piedoso Jesus", o que acrescenta ao seu Sagrado Nome um tom adocicado e mais suave.

2015 - O anel De Nossa Senhora (7).jpg

A igreja do Bom Piedoso Jesus era linda! Seu estilo muito se parecia com Saint-Chapelle, salvo as suas devidas proporções áureas e de cores; todos carinhosamente a chamavam "minha chapelle" ou "Saint-Chapelle du Bon Jesu". Com muita inocência as pessoas diziam que Deus teve a bondade de acolher seu Filho em uma linda igreja, comparando o tamanho da cidade.

De forma harmônica e cândida a disposição da cidade se fazia em forma de circulo tendo a matriz como seu centro e ápice, de tal modo que as outras casas e edifícios - completamente diferente dos que estamos acostumados em nossos dias - iam crescendo de acordo com sua importância ao se aproximarem da igreja, mas nunca ultrapassando ela, nem mesmo a imagem o Bonne Pie Iesu, cuja fronteava ela.

Era pacata a cidadezinha. Todos os dias tinham feira, aonde muitos do campo vinham para fazer trocas e, aproveitavam também, para pôr em dia seus compromissos com o vigário. Nas feiras, como era o costume, dispunha-se o mais próximo da igreja - evidentemente sem profanar o recinto sagrado - alguns músicos e saltimbancos que alegravam a todos e, de uma forma justa, obtinham seu sustento.

2015 - O anel De Nossa Senhora (9).jpgNesta cidade vivia um jovem mancebo jogral, que infelizmente com o nome dele não aconteceu diferente ao da cidade; por isso, entre nós, o chamaremos Jean-Pierre. Apesar de sua idade, uns dezessete anos, já mostrava muito talento, seus truques e com suas artimanhas encantava a todos os espectadores.

De bela aparência. Astuto como uma cobra prestes a dar o bote. Puro como uma pomba. Levava consigo a amostra de seu compromisso com uma dama aldeã: um anel que o pai da moça entregou como prova de seu consentimento. Um magnífico anel banhado a ouro com um rubi incrustado; porém sem sinal para qualquer data de matrimônio. Sua inocente amada, atarefada com seus afazeres domésticos, levava consigo outra réplica desse anel ora no bolso, ora no pálido e delicado dedo; a data de entrega por seu pai a marcara bem, uma vez que, sendo ela que implorou a ele que entregasse a nosso Jean-Pierre.

Todas as tardes Ágata pedia a visita de Jean-Pierre. Após seus árduos e trabalhosos espetáculos ele ia aos arredores da cidade visitá-la. Casa modesta. Tinha apenas um curral e um simples galinheiro que acrescentavam à moradia deles. Ela esperava na horta de frente a sua casa, próximo ao portão para receber seu amado. Jean chegava, saudava sua amada - como os respeitosos costumes da época pediam - ia de encontro aos pais da moça e voltava ao sua casa, onde teria uma calma noite.

Os dias se passaram. Ágata estava tão entorpecida pela ideia de casar-se que não comentava outra coisa, contudo, Jean apenas desfrutava de seu jocoso labor, sem muito se importar para a empolgação dela.

Certa vez ao raiar o dia, preparando-se para um evento em que a praça estaria repleta, começou seu treino, juntamente com um amigo de malabarismo, Dagobert. Empolgados pela possível multidão e pelo rendimento, iniciaram manobras e manejos novos e mais entusiasmantes. Bolas para um lado. Bastões para outro. Pulos, saltos e piruetas para todos os cantos: "hoje será nosso dia" - pensou Dagobert. Jean, pouco distraído, fazia tudo que seu amigo pedia, porém sem demonstrar entusiasmo. Ele o inquiriu: "Ei! Jean-Pierre, que tens tu hoje? Andas mais avoado que patos na migração." "Apenas Ágata me preocupa, Dagobert", respondeu ele. "Ah, sabia que tinhas algo..."antes de terminar a frase Jean-Pierre contou ele e continuou: "Não sei se devo continuar com ela, ela me ama muito, contudo amigo, minha estima é restrita a ela". Entre os arremessos, Dagobert, ficou pasmo e exagerando na força, mandou para dentro do lugar sagrado um de seus objetos de apresentação. "Vou eu", disse Jean. E correndo para a bela igreja do Bom Piedoso Jesus, pôs-se a caça da bola.

2015 - O anel De Nossa Senhora (5).jpgRespeitosamente entrou, fez profunda e piedosa vênia, inclinando a cabeça rezou. Após sua breve oração, iniciou despreocupadamente a procura. Passou de canto a canto da igreja e não entrou a tal bolinha, parecia ter sido ele a primeira coisa que entrava naquele recinto no dia. Dissipadamente, olhou para as imagens e para os adornos do local: "Oh, como é bela!", fazia alguns meses que ele não entrava na Igreja, uma vez que acompanhava de fora as missas. Esquecendo completamente de sua missão, começou a passear pela igreja apenas desfrutando do silêncio, ou melhor, da sua conversa com Deus.

De súbito, seguindo mais a frente seus olhar admirando os mármores do chão, ele encontra a bolinha: "Passei aqui tempos atrás, e não estavas aqui?! Porquê se escondes de mim?" E dirigindo-se a ela, inclinou-se e pensou: "Porquê não te vi?" Levantando suavemente seu rosto, deparou-se com um lindo e ornado altar. "Minha Mãe. Nunca vos vi aqui? Passei pela igreja inteira, como não vos notei?" Nesse altar possuía uma imagem de Nossa Senhora, cujas lindas e alvas mãos poucos esticadas à frente convidavam aquém olhasse a abraçar Ela. Jean-Pierre passou vinte minutos olhando aquela piedosíssima imagem, quando escutou: "Pierre, Pierre! O vigário já lhe chamou para ajudar?" "Não, já estou indo", retrucou o rapaz sem se importar ou atrapalhar sua conversa com Maria Santíssima. Tocado por uma moção da graça, viu aquelas lindas mãos estendidas para ele, pegou seu anel, e pôs nos dedos de Nossa Senhora, dizendo: "Minha Mãe, aceitai este presente de amor, é pouco pelo que Vós mereceis, é muito pelo que tenho. Mas que ele seja uma real e profunda prova de meu amor a Vós, com ele estou me entregando". Quando terminou de colocar o anel nas preciosas mãos d'Ela, o que menos se podia esperar aconteceu, os dedos de Maria Santíssima se juntaram, e sua mão se fechou um pouco: era sinal de pleno consentimento e agrado da Rainha dos Céus. "Eu prometo me consagrar e servir somente a Vós e fazer o bem a todos!" E pulando de alegria foi correndo voltar para o seu treino, mantendo seu segredo entre ele e Deus.

Os dias se passavam, e os aldeões confusos e curiosos por verem o dedo d'Aquela que era a Torre de Humildade, que ostentava tal brilhante e muito menos quem conseguira fazer aquela proeza, sendo que estavam quase fechados os dedos e não passava nada, nem muito menos possuía ranhura ou emenda no anel, ou tão pouco marcas nas mãos. Pois bem, todos um dia esqueceram menos Jean que sabia bem de onde viera aquele anel, e que guardava em seu peito aquele desejo de se entregar a Ela, todos os dias ele A visitava, renovando sua promessa.

"Vigiai e orai" diz o Senhor, infelizmente aquele que não se mune com as armaduras da vigilância ou com as armas da oração, pode facilmente se esquecer de seus bons propósitos e derrocar em sua vida espiritual.

Um ano se passou e Jean-Pierre foi esfriando em sua promessa à Maria Santíssima. Pararam-se as visitas. A vontade se esfriou. E pior de tudo, Ágata forçara o rapaz a pedi-la em casamento.

O noivo jogral manteve seu ofício, cujos planos era de ser um ferreiro, ou até mesmo, cavaleiro. Suas vidas rodavam entorno de um só desejo, desposar e constituir uma família.

Um dia antes de receber o sagrado sacramento do matrimônio, sentou-se em sua cama, estava pensando e almejando aquela cerimônia, sua imaginação estava levando-o para longas viagens. Inclinando a cabeça e fechando os olhos pôs-se a rezar. Pedia por si, pela sua esposa, pelos seus futuros filhos, pelo seu ofício, enfim, pedia inúmeras bênçãos a Deus.

2015 - O anel De Nossa Senhora (6).jpgFazendo longo e compenetrado "Em nome do Pai", levantou sua cabeça. Uma luz branca se acendeu vagarosamente a sua frente. Abrindo os olhos, com espanto cético, se deparou com Ela: Maria Santíssima, Aquém fizera a promessa há um ano. Estupefato com a aparição caiu de joelhos, contente por vê-La, Nossa Senhora lhe disse: "Por tão pouco e tão rápido me traístes". Abaixando a cabeça, aos poucos aquela aparição desapareceu, e escutou-se apenas o barulho de um objeto cair ao solo: era o anel. Gélido por aquelas palavras, Jean-Pierre caiu em si e percebeu que ele prometeu amor a Ela. O rosto de desgosto de Nossa Senhora estava fixo em sua mente. As lágrimas escorriam de sua face. E olhou para o anel, anel que antes era sinal de amor, sinal de aprovação, agora virou de desprezo e tristeza.Soltando o anel, abandonado sua casa, saiu correndo Jean, sem rumo algum, apenas se afastando daquela que fez quebrar sua promessa.

Dias andando, peregrinando as cidades da França, sendo ajudado pelos transeuntes como ele, com alimentação, deparou com uma linda construção de altos muros que tocava um sino e depois de pouco tempo ouvia-se a voz dos cânticos gregorianos. Bateu sem demora na porta. Abriu um frei porteiro, que disse a ele: "Por favor, meu caro frei, ando há dias, não assisto a nenhum sacramento nem converso com Deus. Sou muito pecador e preciso do Santíssimo Sacramento". "Entre, se é para falar com o Deus tens as portas abertas". Indicou o caminho a capela e o deixou seguir seu rumo. Entrando, ajoelhou-se, e as lágrimas voltavam a jorrar de sua face. Com o rosto coberto, rezava e chorava, ao ponto de soluçar.

2015 - O anel De Nossa Senhora (4).jpg

Sentindo que não estava sozinho, controlou seu choro, e destapando o rosto viu uma luz branca - cujo brilho já conhecia - e ouviu aquele divina voz: "Meu filho vem!" E desaparecendo, deixou desta vez, apenas um doce e agradável perfume rosa. Com o rosto sorridente e feliz, se apresentou Maria Santíssima, e respondendo e exclamações de choros de alegria respondeu Jean: "Sim, minha Mãe! Sim, minha Rainha!"

Assim Jean-Pierre entrou na via religiosa, dedicando ao serviço do próximo e principalmente a vigilância e oração. Tornou-se grande pregador e - por sua facilidade porque era saltimbanco - exímio catequista de crianças. Morreu aos 96 anos com odor de santidade.

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.
silvana
  -   13 de agosto de 2015

Muito linda essa história ...tbm sou consagrada á Nossa Senhora das Graças á 6 anos e assim renovo minha consagração todos os anos...sendo Fiel e fazendo caridade,mesmo assim admito que sou uma enorme pecadora mas nunca deixei de amar a GRANDE MÃE DE JESUS E MINHA MÃE.SILVANA DE OLIVEIRA
silvana
  -   13 de agosto de 2015

Muito linda essa história ...tbm sou consagrada á Nossa Senhora das Graças á 6 anos e assim renovo minha consagração todos os anos...sendo Fiel e fazendo caridade,mesmo assim admito que sou uma enorme pecadora mas nunca deixei de amar a GRANDE MÃE DE JESUS E MINHA MÃE.SILVANA DE OLIVEIRA
silvana
  -   13 de agosto de 2015

Muito linda essa história ...tbm sou consagrada á Nossa Senhora das Graças á 6 anos e assim renovo minha consagração todos os anos...sendo Fiel e fazendo caridade,mesmo assim admito que sou uma enorme pecadora mas nunca deixei de amar a GRANDE MÃE DE JESUS E MINHA MÃE.SILVANA DE OLIVEIRA
testarnsg
  -   31 de agosto de 2015

Muito linda...
Leone Frances da
  -   20 de março de 2016

Sim Minha Mãe e Rainha....
Que estejamos dispostos a amar e seguir Jesus pelas Mãos de Maria.
Salve Maria. ..
Cesar Alexandre
  -   13 de maio de 2016

Nossa que linda história. Quantas vezes nós tb esquecemos as promessas que fizemos a nossa rainha. E mesmo assim Ela com maternal carinho nos ama e nos acolhe em seu coração pegando-nos com suas mãos Imaculadas!!!